Uma jovem portuguesa trabalhou entre 2015 e 2019 num supermercado da Denner no cantão de Vaud onde simulava a devolução de bens para roubar dinheiro. “Subtraiu quantias entre 100 e 200 francos, depois quantias progressivamente maiores até várias vezes por semana”, informou o Procurador Patrick Galeuchet. Em 2015 e 2016, a portuguesa roubou respectivamente CHF 361.- e CHF 726.-, os montantes tornaram-se muito maiores de 2017 a 2019: CHF 2.180.-, CHF 5.400.- e CHF 26.267.- em 2019. Isto significa uma perda total de cerca de CHF 35.000.-

Apanhada no frenesim do roubo, a jovem também roubou comida e bilhetes de lotaria destinados à venda. Finalmente ela acabou por ser apanhada em 2019. Para os investigadores, rastrear o dinheiro roubado foi fácil: a jovem mãe depositava o dinheiro roubado na sua conta bancária. Ela explicou que esse rendimento regular e ilícito de dinheiro lhe permitiu manter estabilidade na sua vida. Foi considerada culpada de roubo por profissão e condenada a 180 dias de multa a CHF 60.-, suspensa por três anos, e a uma multa de 2.100 francos.

A arguida portuguesa arriscava ser enviada para Portugal. O procurador foi magnânimo. “Não tem antecedentes, nasceu na Suíça e está perfeitamente integrada. Mas este é um favor que já não será concedido se ela voltar a roubar”, disse Patrick Galeuchet, .