Permissão de residência “C” recusada por causa de 100 metros

Uma emigrante brasileira, residente na Suíça há 10 anos e que vive com o seu companheiro suíço, fala francês à perfeição. O casal tem também um filho de 9 meses. A brasileira respeita todas as condições para obter uma permissão de residência tipo “C”. Menos uma. A família mudou-se para a aldeia de Ligerz, situada no cantão de Berne, onde se fala alemão. A residência situa-se a menos de 100 metros de La Neuveville onde se fala francês. A brasileira tem uma entrave por causa da mudança das leis de emigração.

Com a nova lei entrada em vigor no início do ano, a emigrante precisa “saber comunicar na língua nacional falada na cidade de residência”. O problema é que a emigrante brasileira não fala nada alemão e o serviço das migrações do cantão de Berne recusa dar o permisso C.

A mulher, que fica com o permisso “B”, considera a situação como um caso de racismo. As autoridades de Berne informam apenas respeitar a lei. No entanto, a Suíça tem acordos antigos com 11 países europeus (Alemanha, Áustria, Bélgica, Dinamarca, Espanha, França, Grécia, Itália, Principado do Liechtenstein, Holanda e Portugal) que escapam às novas leis migratórias.

Publicidade

Por exemplo, um holandês ou um português, que não fala nenhuma língua nacional, pode obter uma permissão de residência C sem saber uma língua nacional. Um francês, residente em Zurique, também não precisa de saber falar alemão para obter o permisso C. O tratamento é, então, diferente para cada nacionalidade.

Artigo completo em francês aqui.

Publicidade
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on google
Share on email
Share on pinterest

Outros Artigos