Foram apresentadas várias queixas criminais pela Suisa e pelas empresas Universal City Studios Productions LLLP, Universal City Studios LLC, Warner Brothers Entertainment Inc, Studiocanal, Canal Plus Group, Société d’Edition de Canal Plus e Nagravision SA contra pessoas que colocaram no mercado uma caixa multimédia chamada KBox, que oferece recepção de conteúdos protegidos por direitos de autor. Esta caixa funciona com um sistema Android e é vendida com uma aplicação chamada “Catalog”. Este último permite o acesso em streaming a mais de 7.000 filmes e 75.000 episódios de séries.

De acordo com os primeiros elementos da investigação, cerca de 20.000 “KBox” foram vendidas e geraram um volume de negócios de mais de 2 milhões de francos suíços.

As investigações levadas a cabo pelo Ministério Público e pela Divisão de Investigação Cibernética (DEC) da Polícia de Segurança levaram à suspeita das pessoas responsáveis pela gestão da KBox, três cidadãos suíços com 45, 38 e 35 anos. Não só facilitaram a visualização de filmes ou episódios de séries em streaming, como também desempenharam um papel activo na disponibilização do conteúdo transmitido e na gestão dos servidores que acolhem estes filmes e séries protegidos por direitos de autor.

No dia 10 de Novembro de 2020, enquanto os servidores eram simultaneamente sequestrados na Suíça, Alemanha, França, Países Baixos e Mónaco, várias operações de investigação tiveram lugar no cantão de Vaud, incluindo buscas e audições.

A investigação prossegue a fim de definir as responsabilidades e a extensão das infracções cometidas por cada um dos arguidos.