TAP prolonga lay-off até 31 de maio

TAP em lay-off
TAP em lay-off

Companhia aérea recorreu a 2 de abril, ao programa de ‘lay-off’ simplificado, disponibilizado pelo Governo como uma das medidas de apoio às empresas.

O Conselho de Administração da TAP decidiu prolongar o período de ‘lay-off’ por mais 30 dias, até 31 de maio, por considerar que se mantêm as condições que levaram à adesão à medida, no início de abril.

“Considerando que as condições que nos fizeram aderir a esta medida se mantêm, na sua vasta maioria, nomeadamente as restrições à mobilidade dos cidadãos de todo o mundo e as incertezas face à retoma da atividade, vamos prorrogar o período de ‘lay-off’ por um período suplementar de 30 dias, até 31 de maio, de acordo com o decreto-lei que regulamenta esta matéria”, informou hoje o Conselho de Administração da companhia aérea, numa carta a que a Lusa teve acesso.

A transportadora aérea esclarece ainda que os colaboradores serão informados individualmente sobre a modalidade que lhes será aplicada na extensão do ‘lay-off’ e reitera que “tudo fará para proteger os empregos, a saúde e a segurança da família TAP”.

Atualmente, a TAP tem a sua operação suspensa quase na totalidade, mantendo apenas voos para a Terceira e Ponta Delgada, nos Açores, e para o Funchal, na Madeira, maioritariamente para voos de repatriamento e transporte de carga humanitária.

A companhia aérea recorreu, em 02 de abril, ao programa de ‘lay-off’ simplificado, disponibilizado pelo Governo como uma das medidas de apoio às empresas que sofrem os efeitos da pandemia de covid-19 na economia.

Publicidade

Numa carta enviada à Autoridade Nacional da Aviação Civil (ANAC) e assinada pela Comissão Executiva da transportadora, no dia 20 de março, a TAP pediu garantias ao Estado para duas possíveis operações de financiamento, por parte do Haitong e do ICBC Spain, para um total de 350 milhões de euros.

No dia 14 de abril, em entrevista à Rádio Observador, o primeiro-ministro não excluiu o recurso à nacionalização da TAP, afirmando não haver “nenhuma razão para excluir nenhum instrumento de ação pública que se revele necessário”.

Publicidade
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on google
Share on email
Share on pinterest

Outros Artigos