Uma jovem portuguesa foi condenada a 160 dias de prisão, com pena suspensa de quatro anos, por burla, falsificação e gestão desleal. A portuguesa, que vive na região de Martigny (VS), fez muitas vítimas como aquelas a quem ela “vendeu” telemóveis na Internet, recebendo o dinheiro sem nunca enviar os bens.

Havia também os seus amigos, a quem mandou enviar encomendas de roupa na 𝘡𝘢𝘭𝘢𝘯𝘥𝘰, com o pretexto de os querer surpreender. Ela recolhia as encomendas mas não pagava as compras, deixando-as para aqueles que lhe tinham emprestado as suas caixas de correio.

Depois ela acabou por burlar os seus próprios pais. Os seus pais tinham-lhe confiado a gestão das suas contas: ela esvaziava-as. E ela nem sequer se preocupou em pagar as faturas habitudais, incluindo o aluguer do alojamento da família. A jovem produziu extractos bancários falsos para atrasar o despejo. Segundo o diário 𝘓𝘦 𝘕𝘰𝘶𝘷𝘦𝘭𝘭𝘪𝘴𝘵𝘦, ela embolsou mais de 100.000 francos.