O sindicato dos empregadores considera qu os empregados se impedem de trabalhar se forem para um país em risco e forem colocados em quarentena ao voltar à Suíça. Neste caso, não há pagamento do salário a favor do empregado.

Os empregados que têm de ser colocados em quarentena depois de regressarem de um país em risco de coronavírus não têm direito a um salário durante este período. É a consideração da União patronal suíça.

Este é um impedimento auto-infligido pelo trabalhador, comunicou o sindicato. A entidade recomenda que os empregadores informem os seus empregados antes de uma viagem privada a um país em risco, que não serão pagos durante o período de quarentena.

A situação é diferente para viagens de negócios. Estas só devem ser empreendidas com moderação. Contudo, se uma viagem de negócios a um país em risco for inevitável, o empregador deve pagar o salário durante o período de quarentena.

Indemnidade

O sindicato dos empregadores salienta que, sob certas condições, os empregados podem ser obrigados a pagar indemnizações se viajarem em privado para um país em risco, apesar da proibição do empregador. A organização patronal aprova a nova regulamentação federal porque quer evitar um segundo confinamento que teria consequências graves para a economia e a sociedade.

Na quinta-feira, o Conselho Federal publicou uma lista de 29 países considerados em risco. A partir de segunda-feira, qualquer pessoa que entre na Suíça proveniente de um destes países terá de permanecer em quarentena durante dez dias. Por enquanto, Portugal não consta na lista.