Tendo em conta o fim de semana da Páscoa, o Conselho Federal fixou em 10 o número de pessoas (incluindo crianças) que se podem encontrar com a família e amigos dentro de casa, em vez dos actuais 5. Este foi o único relaxamento anunciado por Alain Berset. Entra em vigor na segunda-feira.

Todas as outras medidas apresentadas para consulta na semana passada foram adiadas, apesar do apoio de muitos cantões e da declaração do Conselho Nacional, que apelou a uma maior flexibilidade. Assim sendo, as esplanadas não serão abertas e as reuniões ao ar livre permanecerão limitadas a 15 pessoas. “Devemos fazer todos os possíveis para evitar que a Páscoa se torne para a Suíça o que o Natal foi para Portugal e Irlanda”, disse o Ministro da Saúde. Quanto ao teletrabalho, não se trata de o tornar mais flexível, como solicitado por vários cantões. A próxima decisão do Conselho Federal está agendada para 14 de Abril.

“Lamentamos que o Conselho Federal esteja a ser muito mais cauteloso do que muitos cantões tinham pedido. Mas no final, é o governo nacional que assume a responsabilidade pela situação atual, aplicando medidas uniformes em toda a Suíça”, reagiu Lukas Engelberger, presidente da Conferência dos Diretores de Saúde Cantonais.

Três dos quatro indicadores definidos pelo Conselho Federal, para a segunda fase de relaxamento das medidas, não foram atingidos durante os últimos dias: a incidência de 14 dias é superior a 200 por 100.000 habitantes, a taxa de positividade excede 5% e a taxa de reprodução é bem superior a 1 (1,14). Apenas a ocupação de camas nos cuidados intensivos por doentes Covid-19 está abaixo do limite estabelecido. Alain Berset considerou que a Suíça pode estar no início de ume terceira vaga da pandemia no país.