“Hoje, temos de sublinhar que três dos quatro critérios estabelecidos em fevereiro ainda não foram cumpridos. Por esta razão, temos de estar atentos de perto à situação, mas também sempre dissemos que rejeitamos os automatismos e que queremos que estes critérios sirvam de orientação sem conduzir a automatismos para reaberturas ou encerramentos”. Estas foram as palavras do Conselheiro Federal, Alain Berset, na quarta-feira de manhã durante um debate sobre a Covid-19 no Parlamento.

Alain Berset acrescentou de forma pessimista: “Dito isto, a situação hoje não é muito boa. Está a piorar. O Conselho Federal voltará a analisar a situação no final desta semana para ver o que pode ser feito, dado que estamos a aprender cada vez mais a cada dia…”

Quando questionado por parlamentares da SVP/UDC que queriam saber mais sobre as perspectivas de reabertura, Alain Berset disse: “O Parlamento queria critérios, os cantões queriam critérios. Submetemos estes critérios para consulta em fevereiro e eles foram aceites. O problema que temos agora é que três destes quatro critérios são negativos (taxa de reprodução do vírus, taxa de positividade dos testes e incidência nos últimos 14 dias). Tornaram-se negativos nos últimos dias e a situação só tornou-se mais complicada. Não é fácil para nós saber como proceder neste contexto”.

Estes esclarecimentos do socialista tornam difícil avaliar se as medidas de flexibilização anunciadas pelo Conselho Federal na passada sexta-feira, dia 12 de março, podem ser confirmadas.