Suíça: Carência de profissionais qualificados na área da saúde

Os hospitais suíços estão a preparar uma eventual segunda vaga do novo coronavírus. Vários enfermeiros, que acabaram o curso em setembro, já foram contratados.

No caso do Centro Hospitalar Universitário do cantão de Vaud (CHUV), houve uma centena de novos funcionários a entrar em funções esta semana como conta uma reportagem da RTS. Os hospitais não estão a perder tempo em novas contratações, mais cedo do que previstas, por causa da chegada da gripe em adição com a COVID-19.

Em entrevista ao canal televisivo, a Diretora dos cuidados de saúde, Isabelle Lehn, disse que o “CHUV ainda está a contratar 90 enfermeiros para os serviços do hospital dos quais 20 estão a ser antecipados de um ou dois meses”. Haverá ainda “40 novos postos de trabalho para colmatar as ausências de maternidade, doença e férias dos empregados”. Caso seja preciso mais pessoal, a Diretora disse que “o hospital iria fazer apelos juntos de agências Interim”.

No total, há uma disputa de empregados temporários entre os hospitais, clínicas e lares com uma possibilidade de ficar a título definitivo se for preciso. É o caso do Hospital Universitário de Genebra (HUG) que decidiu propôr um contrato com duração indeterminada a 200 trabalhadores temporários.

Na internet, é possível notar um aumento das ofertas de trabalho. As agências de recrutamento estão com dificuldades a seguir o ritmo como contou Emmanuelle Valer, responsável da agência Activa Personnel. A principal dificuldade é “encontrar cuidadores qualificados no território suíço”.

Encontrar mão de obra qualificada no domínio dos cuidados médicos é um problema que está a afetar outros países. A RTS considera que há “uma corrida para encontrar uma vacina contra a COVID-19 e uma corrida para encontrar trabalhadores nos cuidados médicos”.

Publicidade

A Diretora dos cuidados de saúde dos HUG, Sandra Merkli, garante que “há uma grande concorrência porque as necessidades são superiores às possibilidades de contratação”. Em entrevista à RTS, a responsável dos cuidados médicos da unidade hospitalar de Genebra diz ainda “fazer tudo para oferecer condições de trabalho atrativas e igualmente variar sobre o tipo de profissionais recrutados” considerando que não é apenas uma penúria de enfermeiras e há outras profissões a nível hospitalar.

Sandra Merkli garante que “o grande desafio será de combater uma eventual segunda vaga e manter os outros serviços”. Em Genebra, a capacidade de utentes está a ser aumentada e é uma das razões que leva a um aumento de contratações.

Publicidade
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on google
Share on email
Share on pinterest

Outros Artigos